quarta-feira, 31 de maio de 2017

FAZENDO CONTAS E MARCANDO DATAS... 23 DE SETEMBRO, NÃO!


Calma...
Não mudei de posição... não decidi ingressar no clube dos “date setters” ou “marcadores de datas” tão populares na internet. Afinal, mais uma vez o dia 23 de setembro está “bombando”, como a data do fim do mundo, não é verdade?
Não a minha ideia não é essa... e o mundo não vai acabar nesse dia.
MAS...
Meu desejo sincero é avaliar alguma coisa sobre tempos e datas, sim!
Aliás, depois de um certo tempo sem escrever, hoje vai um tratado... tome fôlego, separe algum tempo para ler e, vamos juntos...
Desejo chamar sua atenção para o fato que, quando da primeira vinda do Senhor Jesus, os estudiosos judeus tinham registrada a mais espetacular profecia bíblica, A Profecia das 70 Semanas, dada por Deus a Daniel e registrada em seu livro:

Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para fazer cessar a transgressão, para dar fim aos pecados, para expiar a iniquidade, para trazer a justiça eterna, para selar a visão e a profecia e para ungir o Santo dos Santos. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Ungido, ao Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as praças e as circunvalações se reedificarão, mas em tempos angustiosos. Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Ungido e já não estará; e o povo de um príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será num dilúvio, e até ao fim haverá guerra; desolações são determinadas. Ele fará firme aliança com muitos, por uma semana; na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; sobre a asa das abominações virá o assolador, até que a destruição, que está determinada, se derrame sobre ele.

Daniel 9:24-27

Eles agora podam calcular a “estação” da vinda do Messias – O Ungido, ou até mesmo o ano!
É por isso que, creio, vemos nos evangelhos, tantas vezes, as pessoas perguntarem a Jesus se Ele era o Messias ou não... Porque, creio, muitos estavam na dúvida se sabiam da “estação.”
E veja que eles tinham a “data de início” para seu raciocínio, pois tinham a data da ordem para a reconstrução do Templo. E agora, desde quando os magos chegaram ao palácio de Herodes para buscar o rei nascido e houve um alvoroço, se fizessem as contas, saberiam que algo estava acontecendo.
Tanto na casa de Herodes, como em TODA JERUSALÉM segundo o texto, todos ficaram alarmados com isso, porque os sacerdotes e escribas foram consultados por Herodes, e identificaram pela profecia bíblica que o Messias iria nascer em Belém!
Eles reconheceram o cumprimento da profecia!

Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo. Tendo ouvido isso, alarmou-se o rei Herodes, e, com ele, toda a Jerusalém; então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, indagava deles onde o Cristo deveria nascer. Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta: E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel”.

Mateus 2:1-6

E sim, podemos entender que muitos ficaram sabendo que Jesus tinha nascido em Belém! Poderiam fazer contas... Mas, apesar de terem visto um marcador de tempo tão claro, tão preciso, tão espantoso, ao qual toda a Jerusalém teve acesso, bem como os líderes religiosos mais estudiosos, não levaram tão a sério. Era, talvez, uma coincidência, ou, ainda, esqueceram. Ou perderam “a pista” pois Jesus e família foram morar no Egito e voltaram anos depois.
Mas ainda assim, veja que até mesmo João Batista, então no cárcere, preso por Herodes, pouco antes de ser morto, teve dúvidas e mandou seus discípulos a Jesus para ter certeza se Ele era Ele mesmo, ou não!

Quando João ouviu, no cárcere, falar das obras de Cristo, mandou por seus discípulos perguntar-lhe: És tu aquele que estava para vir ou havemos de esperar outro?

Mateus 11:2-3

Mas dentre todos, como ele pode ter dúvidas? Logo ele, João Batista, um profeta e seu primo, que fez parte da profecia acerca da vinda de Jesus. Que também teve um nascimento especial, que teve sua mãe Isabel se relacionando com Maria mãe de Jesus, em uma gravidez e um nascimento sobrenatural não reconhecidos pelos Seus. Sim, João Batista, que batizou Jesus e O anunciou como O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo...
Como pode perder a revelação, o conhecimento, e duvidar?
Posso pensar e entender que, eventualmente, por sua dura provação na prisão e posterior martírio. Posso pensar também que ele esperava que Jesus O libertasse da prisão...
Posso pensar que ele, como tantos outros tinham, talvez, uma expectativa sobre como seria a vinda de Jesus, que Ele os libertaria do jugo do império romano ao estabelecer O Reino...
Ou algo mais...
E porque eles não entenderam realmente tudo o que envolvia Sua vinda, duvidaram... não creram... perderam as contas dos anos proféticos e dos cálculos da profecia.
Mesmo sabendo que algo sobrenatural havia acontecido em Seu nascimento, que tinha nascido em Belém, e também, como se dizia, de uma virgem!
Mas parecia sobrenatural demais, e se desligaram da realidade. Ou duvidaram.
Ou não creram e perderam o tempo de Sua visitação!

Quando ia chegando, vendo a cidade, chorou e dizia: Ah! Se conheceras por ti mesma, ainda hoje, o que é devido à paz! Mas isto está agora oculto aos teus olhos. Pois sobre ti virão dias em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras e, por todos os lados, te apertarão o cerco; e te arrasarão e aos teus filhos dentro de ti; não deixarão em ti pedra sobre pedra, porque não reconheceste a oportunidade da tua visitação.

Lucas 19:41-44

Sim, eles tinham todas as profecias registradas, viram todos os sinais que Jesus Cristo operou, poderiam investir tempo para se certificarem que sim, Ele era o Messias...
Poderiam ler e reler a profecia de Daniel e comparar com os registros históricos, mas... perderam a oportunidade e o tempo da Sua visitação... Que tragédia!
Na verdade, ficaram tão confusos e foram também, tão manipulados, que mandaram soltar a Barrabás e crucificar a Jesus Cristo!
Embora tivessem tantas informações disponíveis, não conseguiram entender.
Deveriam estar em todas as sinagogas pregando que O Messias estava entre eles, e que era chegado o tempo.
Que precisavam de arrependimento e dar ouvidos a Seus ensinos, mas não... Rejeitaram, ignoraram, não reconheceram, focaram em outras coisas, e levaram muitos ao engano...
Porque isso é tão importante com relação aos dias em que vivemos?
Porque este mesmo fenômeno está acontecendo em nossos dias!
Sim, até agora, ninguém sabe o dia nem a hora de Sua vinda. Isso é bíblico!
Mas há uma data profética clara, que não pode ser ignorada nem desconsiderada, que é espetacular demais, embora tentem transformá-la em algo comum, ou corriqueiro.
Data essa que, por analogia, pode representar para nós o mesmo que a profecia de Daniel representou para os judeus quando do nascimento de Jesus.
Afinal, nunca houve na história da humanidade uma nação que fosse vencida, subjugada, destruída, extinta dispersa, que tivesse seu território completamente tomado que voltasse a existir. Nunca!

Voz de grande tumulto virá da cidade, voz do templo, voz do SENHOR, que dá o pago aos seus inimigos. Antes que estivesse de parto, deu à luz; antes que lhe viessem as dores, nasceu-lhe um menino. Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisa semelhante? Pode, acaso, nascer uma terra num só dia? Ou nasce uma nação de uma só vez? Pois Sião, antes que lhe viessem as dores, deu à luz seus filhos

Isaías 66:6-8

Sim! Israel deixou de existir como nação em sua terra, e assim ficou por mais de 2.500 anos!
Todos dispersos por diversos países, errantes... Israel não existia mais!
Mas sim, o que era impossível, se tornou real, e aconteceu esta “gravidez” e houve um “nascimento” sobrenatural, da parte de Deus. A nação voltou a existir em seu lugar!
Mas novamente fatos não foram reconhecidos.
Novamente a intervenção sobrenatural de Deus na história da humanidade é desprezada até mesmo por cristãos, que não consideram este Israel o profético, porque esquecem da Palavra de Deus, comunicada pelos Seus profetas.
Agora a ONU persegue a Israel sem temor, como se fosse ela a única causadora dos problemas no Oriente Médio e do mundo. Penaliza reiteradamente, através de censuras e moções, como se fosse uma nação terrorista, ignorando os genocídios que acontecem em outras nações, ao redor do planeta...
Continuam querendo todos que Israel deixe de existir, querem dividir Jerusalém, querem fatiar sua terra, querem diminuir seu espaço, que hoje é menor que nosso estado do Sergipe! Querem permitir que os terroristas ao redor atuem livremente...
Mas sim, tudo isso acontece por que ela é uma pedra no sapato do mundo, justamente como um cumprimento profético de que vivemos nestes últimos dias, para os que veem o que está diante dos olhos...

Eis que eu farei de Jerusalém um copo de atordoamento para todos os povos em redor, e também para Judá, durante o cerco contra Jerusalém. Naquele dia farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a erguerem, serão gravemente feridos. E ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra.

Zacarias 12:2-3

Aliás, a UNESCO chegou ao absurdo de dizer que o que restou do Muro, o Monte do Templo e outros lugares irrefutável e historicamente judeus, não são ligados a Israel!
E nesta tomada de decisão ridícula e que violenta a história, lamentavelmente o Brasil, tão usado quando da constituição do Estado de Israel pelo voto e participação de Oswaldo Aranha, agora, desastrosamente, vota contra Israel abraçando este ridículo ato...


E quanto ao sistema evangélico religioso atual?
Da mesma maneira a maioria das igrejas que não pregam quase nada acerca do fato que estamos vivendo em um ciclo tão profético quanto àquele em que O Messias veio a primeira vez. Não reconhecem que a agenda de Deus vai correndo diante de nossos olhos. E o tempo se esvai. Os sinais preditos por Jesus acerca de Sua vinda estão estampados ao redor, por toda a parte, e se você investir um tempinho navegando aqui no Blog verá muitos...
E provavelmente, errarão em nossos dias como fizeram com Barrabás, e muitos “abraçarão o anticristo”, confusos sem saber Quem é Jesus...
E assim, como da primeira vez, é possível que muitos religiosos como os de então, os hoje cristãos, percam o tempo da visitação. Como um cristão pode perder o tempo da visitação?
Ignorando os sinais, ignorando as estações, vivendo a vida como se Jesus não fosse voltar.
Cuidando da vida diária, dos seus interesses, das coisas do mundo.
Não observando as profecias, nem observando este marcador de tempo da parte de Deus.
O simples fato de Israel ter voltado a existir como nação mesmo que não tivesse uma única profecia escrita, deveria ser considerado como algo absurdo e sem precedentes.
Mas o simples fato de Israel ter voltado a existir como nação, aponta para o fim.
O cumprimento de diversas profecias do livro do Apocalipse e dos últimos dias, pressupõe a necessidade que Jerusalém seja habitada por judeus.
Porque vem o tempo da “angústia de Jacó”.
O fato que a última semana da profecia de Daniel é exatamente o período da grande tribulação, aponta para o fato da necessidade deles estarem novamente em sua terra.
E nunca nada parecido aconteceu na história da humanidade!
E este fato histórico está registrado na Bíblia como profético!
Não é possível que cristãos queiram interpretar profecias bíblicas ignorem este fato!
Não é possível que cristãos que creem na Bíblia vejam Israel lá, na sua terra, vejam aquela vista tão conhecida de Jerusalém, e não façam contas...
Contas? Que contas? Perguntarão alguns...
Bem, estas contas são o conteúdo que dão o título a este post. Post que começo agora!
Aliás, na verdade, minha proposta é que você mesmo faça as contas.
Contas a partir da profecia dada por Jesus em Mateus, capítulo 24.
Mas para isso, e antes de iniciar, proponho que você se decida se, segundo seu entendimento, uma geração bíblica tem 120, 100, 70 ou 50 anos, porque isso definirá seu conforto ou seu senso de urgência para a lidar com esta profecia.
E sua outra decisão, é se você vai analisar essas gerações em relação a esta data, no sentido convergente ao ano de 2017, ou se vai analisar na perspectiva futura a partir de 1947.
O sentido convergente eu já usei em um post sobre este nosso ano de 2017.
A síntese de meu raciocínio (com muitas outras informações no post) para sermos convergentes em relação a 2017 é:
No dia 29 de agosto completaremos 120 anos do 1º Congresso Sionista. (Geração de 120 anos) se completa agora, em 2017. Que também completa no dia 2 de novembro 100 anos da “Declaração Balfourd”. (Geração de 100 anos). E ainda no próximo dia 29 de novembro completaremos 70 anos da votação da ONU. (Geração de 70 anos). E por fim, nos dias 5 a 10 de julho, logo mais, completaremos 50 anos da guerra dos seis dias (Geração de 50 anos).
Ou seja, se observarmos eventos importantes em relação ao retorno de Israel à terra, temos que admitir que 2017 é um ano importante. Coincidentemente...
Ou seja, todas as opções de contagem de geração a partir de datas importantes ao retorno de Israel a sua terra, convergem, impressionantemente, para este ano de 2017, e início de 2018.
Ou por outro lado, podemos seguir por um caminho diferente, e o meu raciocínio por uma perspectiva futura consiste em você e eu tomarmos esta data inicial de 29 de novembro de 1947 dia da votação na ONU sobre restabelecimento do Estado de Israel, ou ainda a data de 14 de maio de 1948, dia da Independência de Israel, e projetarmos para o futuro.
Aliás, em ambas as datas, encontramos uma alternativa de cumprimento de que “uma nação veio a existir em um só dia” segundo a profecia de Isaías.
Vamos então para a profecia de Jesus!

Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça.

Mateus 24:32-34

Se crermos com a tese de que a figueira é Israel, como eu creio, deveremos fazer os cálculos a partir de uma de duas datas. Ou escolhemos a data de 1947/48 ou 1967. Façamos as duas simulações. Se sua opção por geração é 120, 100, 70, 50, faça as contas.
Entretanto, para iniciar, precisamos lembrar que na profecia, Jesus usou a expressão “quando virdes”. Isso é muito importante porque precisamos lembrar que Deus considera que alguém pode “ver” algo profético apenas a partir de vinte anos de idade. Porque?
Porque foi essa a medida de anos que Ele usou com Seu povo que “viu a terra”, mas a infamou e não creu... e morreu no deserto.

Certamente, os varões que subiram do Egito, de vinte anos para cima, não verão a terra que prometi com juramento a Abraão, a Isaque e a Jacó, porquanto não perseveraram em seguir-me, exceto Calebe, filho de Jefoné, o quenezeu, e Josué, filho de Num, porque perseveraram em seguir ao SENHOR.

Números 32:11-12

Portanto, em nossos cálculos, para qualquer duração de uma geração que escolhermos, precisamos subtrair vinte anos. Precisamos subtrair, também, os sete anos, que é o tempo da grande tribulação (porque “todas estas coisas” que precisam acontecer) para a volta de Jesus.
Portanto, precisaremos subtrair vinte e sete anos dos totais das gerações em nossos cálculos.
Precisamos ainda atualizar desde a data inicial escolhida, até os dias em que vivemos.
Vamos simular nossas contas, inicialmente, a partir de 1947 (Poderia ser 1948, mas o resultado seria o mesmo).
Precisaremos então subtrair além dos vinte e sete anos, mais setenta anos de para atualizarmos desde 1947 até hoje...

Se suas contas forem considerando uma geração como de 120 anos, subtraindo 27 anos, e subtraindo 70 anos, teríamos ainda mais 23 anos para concluir o “até que tudo isso aconteça”.
Se suas contas forem com uma geração de 100 anos, subtraindo 27 anos, e subtraindo 70 anos, teríamos apenas mais 3 anos “até que tudo isso aconteça”, o que não faz sentido.
Se suas contas forem com as gerações de 70 ou 50, perceberemos então, que já teria acontecido, o que não faz sentido, ou seja, não há como aplicar...

Alternativamente, vamos pensar em nosso exercício tomando o ano de 1967 como referência de nossos cálculos. Pelo importante fato da reconquista de Jerusalém que é extremamente profético, esta é a maneira mais correta a se pensar, creio eu.
Assim, precisamos subtrair não mais setenta, mas sim, cinquenta anos para atualizarmos de 1967 até hoje...

Se suas contas forem com uma geração de 120 anos, subtraindo 27 anos e subtraindo 50 anos, teríamos mais 43 anos “até que tudo isso aconteça”. Se suas contas forem com uma geração de 100 anos, subtraindo 27 anos e subtraindo 50 anos, teríamos mais 23 anos “até que tudo isso aconteça”. Se suas contas forem com uma geração de 70 ou 50 anos, “tudo” já deveria ter acontecido, portanto, não faz sentido.

Mas veja... para fazermos estas contas finalizando com uma data literal em uma quantidade exata de anos, precisaríamos considerar que Jesus teria dito que “quando concluísse a geração ou ao final da geração”, se completaria este processo. Mas não foi isso o que Ele disse!
Jesus disse claramente que “essa geração que visse isso acontecer, não passaria sem que tudo tivesse acontecido”. Ou seja, “tudo isso tem que acontecer” até, no máximo, o limite destas datas, mas, também, tudo pode acontecer anos antes... E, creio, é exatamente por isso que ainda “ninguém sabe o dia nem a hora”, mas podemos tentar discernir a estação!
Bem, voltando para minha comparação com os judeus religiosos que viveram nos dias de Jesus, nós deveríamos estar em todas as igrejas pregando que estamos vivendo nos últimos dias... Que Jesus está às portas, que é chegado o tempo, e que precisamos de arrependimento e dar ouvidos a Seus ensinos, e frutificar porque o tempo abrevia... mas, não...
A maioria dos cristãos contemporâneos, rejeitam, ignoram, não reconhecem, desconhecem as profecias, e focam em outras coisas... ou, pior, levam muitos ao engano...
Exatamente como nos dias da Sua primeira vinda...
Será que tantos vão perder o tempo visitação do Senhor como da primeira vez?
Será que não conseguem ver as datas?
Será que não conseguem ver os sinais?
Veja os sinais!
Deus abençoe,

Haroldo Maranhão



EM TEMPO! UM CONVITE ESPECIAL!

Para vocês, meu amigos aqui do Blog, vocês que moram em São Paulo, e tem acesso a Alphaville, Barueri, são meus convidados para um grupo de estudos aberto, sobre profecia bíblica, que vou começar usando o salão aqui na igreja. O endereço estará ao lado, em um quadro de informação.

O curso será quinzenal, sempre nas quintas feiras à noite, às 20:30.
Começaremos dia 8 de junho próximo.
O curso é gratuito, e se você tem interesse no tema, é bem vindo.
Deus abençoe... até lá!

4 comentários:

  1. Haroldo, graça e paz! Ótimo post e ótimos pontos os levantados... Sim! Sensacional seria se estivéssemos proclamando o tempo do fim em cada porta que temos aberta... Infelizmente não é a realidade...
    Em relação ao convite, infelizmente não poderei aderir, pois sou do Rio.
    Contudo, faço uma sugestão para que realize transmissão via Facebook ou outro serviço de streaming... Seria ótimo poder acompanhar os estudos e absorver deste conhecimento. Se puder considerar...
    Fica aqui meu abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perdão pela demora...
      Sim, outras pessoas me pediram isso. Vamos providenciar alguma maneira de as pessoas poderem se conectar em uma próxima edição. Vou comunicar aqui no Blog este canal.
      Deus abençoe, e grato pela atenção com o Blog. Abraço!

      Excluir
  2. Ótimo blog, acompanho a anos, o que vejo no meio cristão é o cristão achar impossível a volta de Cristo. Rsrs hilário né?

    Concordo plenamente com a visão da figueira, creio que este é o tempo, não sei se chega nesses 43 anos não, acho que está eminente, no mais tardar uma tese de 20 anos contando de hoje rsrs.

    Abraços e obrigado pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  3. É Haroldo,costumo te seguir pelo face mas não tinha visualizado este teu post ainda,e pelo numero de comentários ja da pra perceber como poucos estão atentos ao que acontece diante de nossos olhos,é incrivel não? as vezes sou taxado de lunático até,triste mas muitos,muitos mesmo não percebem e outros muitos nem querem que aconteça,estão tão preocupados com este mundo que se recusam a enxergar tenho orado muito por estes e pedido que sejam realmente tocados por Deus,continue firme com seus posts,eles uma hora surtirão efeito aos que estão dormindo,um gde Abraço.

    ResponderExcluir