sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

UM JANEIRO APOCALÍPTICO?



"Naquele dia, farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a erguerem se ferirão gravemente; e, contra ela, se ajuntarão todas as nações da terra".
Zacarias 12:3

Não, não creio que este texto se cumprirá imediatamente agora, em janeiro, mas, claramente, podemos perceber um certo vislumbre do que virá a acontecer algum dia!
Deixe-me explicar...
Desde que Barack Hussein (sim, o nome do presidente americano) traiu Israel com sua "abstenção" na última votação do Conselho de Segurança da ONU, acerca dos "territórios ocupados", teve início um (aparentemente) aumento acelerado do cumprimento de profecias sobre o isolamento de Israel.
Embora Donald Trump tenha pedido para Israel "aguentar firme" e aguardar o dia 20 de janeiro, dia de sua posse, Barack Hussein e John Kerry estão articulando nos bastidores (me parece), junto com outros líderes, para antecipar a decisão da "solução pacífica" de dividir Jerusalém e aquela terra, e encaminhar politicamente, uma decisão mais global de se estabelecer "dois estados" antes da posse.
Assim que no dia próximo dia 15 de janeiro, cinco dias antes, haverá em Paris uma reunião para a paz no Oriente Médio. Com a presença de aproximadamente 70 representantes (número interessante, não?) de nações, esta reunião vai "tratar" desta decisão, (encaminhando-a para a ONU?), com a consequência, também, de produzir um cenário ainda mais difícil para Trump, que vai encontrar uma situação já (provavelmente) mais definida politicamente/globalmente no dia 20.
Sim, apresento fatos misturados com "possibilidades/pensamentos meus" ainda, mas, se esta reunião dos 70 acontecer e decidir o que se espera e como se espera, e se esta decisão for, de alguma maneira, referendada pela ONU, creio nas seguintes alternativas, após apresentada a Netanyahu e Abas.

Primeiro cenário: Israel não aceita a decisão de dois estados, e não cumpre as determinações.
Sabemos que quando Trump assumir, apoiará Israel, e, claro, a partir destes movimentos, não teremos paz por lá. Pelo contrário...

Segundo cenário: Israel e Trump conseguem barrar esta decisão de passar agora (seria um milagre), os "palestinos" não aceitam a postergação desta decisão neste momento em que vislumbram ter sua "meia capital" e restituição de "seu território", e, com o apoio dos inimigos de Israel, vão à luta.
Não teremos paz por lá... Pelo contrário...

Terceiro cenário: Todos estes personagens se acertam de maneira sobrenatural, pela intervenção de um "grande líder que emerge, com expressão mundial", e teremos então manchetes sonoras, pelo mundo, todo dizendo que "agora", haverá "paz e segurança"... (veja o que penso sobre isso...)
Será? 

Bem, observando todo o pano de fundo para este momento, acho ridícula a posição da ONU de considerar que Israel "não tem laços anteriores com Jerusalém, nem com o Monte do Templo", conforme foi, inclusive, corroborado também por John Kerry, em seu recente e polêmico discurso sobre o tema. Simplesmente absurda...
Mas pior ainda é haver cristãos que abraçam esta tolice que contraria a Bíblia, na qual tais cristãos afirmam crer...Afinal, Abraão, Davi, Salomão, Jeremias e outros personagens históricos e bíblicos não viveram ou profetizaram sobre um templo em um monte em Marte, mas sobre aquela terra, sobre aquele monte, e em Jerusalém! Jesus e Seus discípulos estiveram no Templo de Jerusalém!
Quem não crê na Bíblia nem como documento histórico até tem o direito de não aceitar esta evidência de que os judeus estavam lá antes dos palestinos, mas cristãos não podem errar assim.
Ou não deveriam...

Mas a verdade é que não há surpresas em tudo isso acontecer, exatamente assim, nestes dias.
Digo isso porque, sim, Israel, passando pela questão da divisão de seu território, vai experimentar um tempo político e econômico tão apertado nos próximos anos adiante de nós, que A Palavra de Deus chama este tempo de "a angústia de Jacó" (Jeremias 30:7), quando terão todas as nações do mundo contra si, em meio a Grande Tribulação...
Sim, ou Trump vai mudar de posição sobre apoiar Israel em algum momento futuro, ou será "removido de sua cadeira", ou este cumprimento profético acontecerá após seu(s) mandato(s).
Ou o anticristo emergirá...
Mas em meio a toda esta pressão que virá, toda esta angústia futura, Israel vai se arrepender de ter rejeitado O Messias e o próprio Senhor Deus, e O Senhor Se levantará em seu favor contra o anticristo e todos os demais que lhe darão suporte.
Mas para nós isso é muito importante pois, à medida que este cenário for apertando e clareando, poderemos sim, como dizem alguns, "ouvir os passos" do Senhor Jesus vindo buscar os Seus... 
Se os estudiosos de profecia estiverem certos, no pior momento para Israel a Noiva do Cordeiro já não estará mais por aqui...
Sim, janeiro promete muitas decisões e (talvez?) surpresas importantes...
Os países que votaram contra Israel (incluindo os EUA que se omitiram) devem também "por suas barbas de molho", pois O Senhor declara que "abençoará os que abençoarem Israel, e amaldiçoará os que amaldiçoarem Israel"... e Sua Palavra não foi revogada, mesmo que hoje Israel não seja quem foi constituído para ser originalmente...
E esta decisão do Conselho de Segurança, embora profética, poderá ter consequências para os que votaram contra Israel...
Mas o principal, é que precisamos entender que a questão atual é muito mais o crescimento de um "sentimento generalizado anti-Israel", profetizado pela Bíblia do que, realmente, uma questão de necessidade de se dividir aquele pedaço de terra em dois para haver a paz mundial...
Pense um pouco "fora da caixa" que a mídia nos quer impor a crer...
Já viu o tamanho do território dos países do assim chamado "mundo árabe", que apoiam a causa palestina em relação ao espaço de terra ocupado por Israel hoje, ainda antes de ser dividido por dois?
Se você procurar mapas na internet, verá que a diferença de tamanho entre as terras é ridículo de tão absurdamente desproporcional... Israel é minúsculo!
Não os publiquei aqui porque estes mapas tem direitos autorais e tem questões ideológicas envolvidas, e não quis me posicionar em relação aos seus autores, mas, se você acessar e observar, vai entender.
Não, a questão não é acerca de territórios, mas, sim, do cumprimento profético da Palavra do Senhor.

Pode até ser que nada aconteça agora em janeiro, e tudo seja adiado mais para a frente...
Sem problemas!
Mas todos estes ingredientes juntos, que apontam para o isolamento maior, e cada vez mais tenso para Israel, e todas as nações se posicionando, cada dia mais, contra eles, declaram que mais este aspecto de Sua Palavra está sendo cumprido claramente, em nossos dias, diante de nossos olhos...
E porque é assim, entenda que TODA Sua Palavra será cumprida logo mais adiante.
Não consegue ver?
Veja os sinais...
Deus abençoe,


Haroldo Maranhão 

3 comentários:

  1. Ótima análise querido irmão! Diferente dos que acreditam que a nação de Israel não tem mais relação alguma com a Igreja e com os acontecimentos porvir, eu creio que estamos sim, ligados a uma mesma raiz e que os acontecimentos que lá ocorrem ecoam sobre a Igreja. Se possível, gostaria que o irmão me indicasse alguma fonte histórica confiável sobre a disputa que ocorre na região, principalmente os desdobramentos políticos e territoriais após a segunda guerra. Embora não tenhamos que provar coisas, muitas das quais, e por isso mesmo, concernentes à fé; às vezes tenho dificuldades em conversar sobre o tema, principalmente diante de pessoas ligadas às áreas de história e filosofia (normal ne?). O julgamento politicamente correto sobre o que ocorre em Israel é geralmente condenatório. Mas, embora eu saiba que o governo de Israel, ainda não convertido, comete seus erros e abusos, acho todo o apoio midiático parcial e superficial. Se você puder me indicar algo, agradeço. No mais um grande abraço e que Jesus continue nos despertando para o grande dia!

    ResponderExcluir
  2. Acho o terceiro cenário o mais provável! Há hoje um líder de uma igreja influente no mundo todo que se tem tornado muito popular até entre os "evangélicos" e ele será a figura capaz de costurar essa grande colcha de retalhos política e religiosa.

    ResponderExcluir
  3. Deus abençoe sua vida Pastor.. Seus ensinamentos me direcionam cada dia mais... Que o Senhor continue usando sua vida grandemente.. Abraços!

    ResponderExcluir