quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

OS ERROS DO(S) GOVERNO(S)... E OS NOSSOS...


Eu nasci em 1961.
Embora não entendesse exatamente tudo o que passou a acontecer em nosso país a partir de 1964, cresci com a impressão de que sempre havia certa tensão no ar.
Afinal, o assim denominado “Golpe de 64” mudou nosso país para sempre.
Não que mudanças já não tivessem acontecido antes.
Não que fossemos o único país a passar por mudanças...
Mas, aquela, especificamente, mudou a minha geração.
Afetou minha vida, e a de minha família, tanto meus pais, quanto a minha, e com certeza, de alguma forma, perceptível ou não, a de meus filhos.
Talvez não saibamos mais nem mesmo precisar o que mudou, já que depois, novas mudanças ocorreram.
Para melhor, e para pior.
Antes, durante e depois.
E isso acontece por que qualquer sistema de governo humano trás isso.
Mudanças.
Boas e más.
De maneiras até mesmo antagônicas, dependendo de valores pessoais tão díspares.
Mas causam influência direta na vida das pessoas.
De qualquer ideologia.
Aliás, não pretendo nem mesmo entrar no mérito ideológico.
Afinal, alguns sempre dirão que tal sistema ter se estabelecido, foi uma vitória.
Outros sempre dirão que foi um retrocesso.
O fato é que tudo o que acontece na esfera de governo nos afeta.
Como você poderá perceber efeitos já aconteceram no país após o governo militar, e até os nossos dias, com as Diretas Já, Tancredo, Sarney, Collor.
Plano Cruzado, Cruzeiro Novo, Real.
Fernando Henrique, Lula e Dilma.
Posso lembrar fatos importantes e consequências...
Pensando livremente, sem qualquer padrão ou valor, posso listar:
“Arroz, feijão, saúde educação!”
Reforma Constitucional.
Salve Collor!
Fora Collor!
Plebiscito sobre o Parlamentarismo.
Minha Casa, Minha Vida.
Farmácia Popular.
Lula lá...
Bolsa Família, Bolsa Escola. Bolsa Educação.
Saúde pública, universal, e de qualidade.
Segurança para todos.
Rota na rua.
Basta de violência e impunidade!
Boicote aos políticos corruptos...
E queremos o fim do “Brasil, o país dos impostos”, segundo a Rádio Jovem Pan, aqui de São Paulo.
Enfim, qualquer que seja a pessoa que ocupa o governo, o partido, o sistema político ou ideológico, queremos tudo isso...
E ainda muito mais de nossos governantes.
Queremos que sejam de ilibada reputação.
Zelosos.
Honestos.
Trabalhadores.
Idôneos.
Fiéis.
Verdadeiros.
Que cumpram todas as promessas de Campanha.
Que saibam administrar crises, tragédias, e tudo o mais.
Que se façam presentes, confortando e consolando.
Que administrem bem o país, e o façam dar certo, independentemente do que acontece no mundo.
Que nos prosperem...
Que nos protejam.
Que resolvam todas as coisas que possam vir a se tornar nossos problemas, antes que mesmo nos atinjam.
E claro, que nos alegrem.
Pão e Circo, como sempre.
Copa do Mundo sem corrupção.
Internet para todos.
Carnaval, samba e futebol.
Que controlem a imoralidade, as propagandas de cigarros e bebidas na TV para proteger nossos filhos...
Mas que não haja censura...
Afinal também queremos o direito de assistir o que nos der vontade.
Sabemos o que queremos, e exigimos que isso nos seja assegurado.
Que protejam a liberdade de expressão!
(Pouco importa que não saibamos, exatamente, quem são os que realmente se expressam por trás desta liberdade mas isso é assunto para outro dia...).
Que os governantes nos protejam de todos os que nos são contrários quando estes se excedem, segundo nossos valores e não os deles.
Para nossos amigos tudo.
Para nossos inimigos a lei.
Que a Constituição nos proteja de tudo e de todos, que seja um livro que preveja toda e qualquer situação que nos possa vir a afetar de maneira prejudicial.
Que seja um livro praticamente sobrenatural.
Proteja não apenas a nós, mas a sociedade em que vivemos e a vida como a conhecemos.
Como um todo.
E que, claro, assegure nossos direitos.
Segundo nossos valores pessoais.
E de preferência, sem que tenhamos, necessariamente, obrigações.
“Deixa a vida me levar, vida leva eu”...
Mas se for absolutamente necessário que as tenhamos, que sejam as mínimas e agradáveis.
Ou minimamente desagradáveis.
Sempre segundo nossos próprios critérios e valores pessoais.
Que os governantes sejam ativos e operosos contra a corrupção na política...
Que trabalhem pelo fim da impunidade!
Para todos!
Mas se, eventualmente, nós cometermos algum deslize involuntário, inesperado ou mesmo fortuito, que eu não sejamos julgados com tal rigor.
Isso por que, afinal, no todo, sabemos que somos bons...
Ou não tão maus assim...
Qualquer pessoa que nos conheça realmente, poderia atestar isso a nosso favor...
Assim, se algo acontecer, que fique claro, desde agora, que terá sido um acidente, ou uma fatalidade, termos, eventualmente, errado contra alguém ou contra o Sistema.
Mas queremos o fim da impunidade!
Queremos, não exigimos!
E queremos também ser sempre protegidos pela polícia.
E que a polícia seja ilibada.
Honesta.
Infalível.
Mesmo que ganhando pouco...
Que prenda os bandidos, mas sem usar violência.
Que, eventualmente, morram os policiais, afinal, isso nos será compreensível!
Mas que jamais respondam aos que os recebem “à bala” com uma “violência desproporcional”.
Que sejam absolutamente justos no exercício de seu dever.
Segundo, claro, a avaliação que fazemos, calmamente sentados em nossos sofás nos noticiários da noite, seguindo sempre a correta avaliação do apresentador da TV no ar condicionado e de olho no indicador do Ibope...
Que os policiais tenham sempre bom senso em tudo, e saibam agir “preventivamente”.
De preferência em todos os lugares da cidade.
Mesmo diante daqueles fatos que acontecem nos lugares mais impensáveis.
Impossíveis de serem previstos, humanamente.
Que zelem pela segurança completa para os cidadãos que pagam seus impostos.
E que os juízes julguem sempre, no rigor da lei, todos os que forem presos.
Mas quando for algum dos nossos queridos ao banco dos réus, que os juízes entendam muito bem a quem estão julgando...
Que separem o joio do trigo.
Mas que os verdadeiros criminosos paguem pelos seus erros.
Não o cidadão de bem quando involuntariamente se envolver em alguma questão com a justiça.
Que os juízes pelo simples ato de olhar nos olhos do réu, saibam, exatamente de quem se trata.
Que sejam infalíveis e justos.
Na verdade, queremos que o governo, os juízes, a polícia e o Sistema saibam sempre separar o joio do trigo.
Sempre!
Sejam infalíveis.
Perfeitos.
E, claro, assegurem justiça para todos...
Mas claro está, pois assim aprendemos que, a violência é consequência primordialmente da falta de educação!
Assim, é necessário que o sistema de ensino também siga o mesmo caminho.
Que seja constituído por pessoas que ensinem o conteúdo, educacional que escolhemos (escolhemos?) permeado por nossos valores morais e éticos ("nossos"? "quais?").
Os nossos valores.
Se não forem os nossos, que sejam os meus valores.
Por professores que saibam entender, e administrar todas as coisas.
Que ensinem e também cuidem de nossos filhos enquanto trabalhamos.
Que a Escola os proteja das drogas, do álcool, dos vícios, da prostituição, da violência.
Que lhes ensine a vida.
Afinal, se a necessidade financeira da população faz com que ela terceirize sua paternidade e maternidade aos professores, nada mais justo que esperarem o melhor do sistema de ensino.
E assim a vida segue...
Assim seria com os bombeiros, médicos, jornalistas, artistas, músicos, historiadores, líderes religiosos, autoridades.
Poderia analisar diversos outros aspectos, mas até aqui é suficiente.
Suficiente para que você perceba que não é possível atender tudo o que a população exige para viver.
Exige por precisar, e ser justo receber.
Mas tudo isso não pode ser suprido pelos governos.
Que são constituídos por pessoas de carne e osso como você e eu.
Que não tem como prover as reais necessidades humanas, que se escondem por trás do que apresentei até aqui:
Paz.
Proteção.
Trabalho.
Segurança.
Alimentação.
Saúde.
Educação.
Habitação.
Prazer.
Alegria.
Vida...
Se você for sincero, perceberá que é impossível alguém atender tudo o que precisamos.
Tudo o que nós precisamos somente pode ser suprido por um governante que não seja humano, mas sim, super-humano.
Um “deus”...
O próprio Deus!
Isso acontece por que a humanidade, no início de sua história, optou por desobedecer e virar as costas para Deus.
Virou as costas para a Única Fonte de todas as coisas que conhecemos e que nos faltam...
E Ele também é A Fonte ainda de outras coisas que nem ainda conhecemos ou imaginamos.
Apenas Deus pode suprir tudo isso, e muito mais.
Principalmente, da maneira que esperamos que nos seja suprida, pelo simples fato de que fomos por Ele desenhados para encontrar tudo o que precisamos nEle apenas...
A real necessidade que temos é de Deus.
Não de reformas políticas, sociais ou governamentais.
Diversas já foram feitas ao longo da história e nada disso foi realmente suprido por nenhuma delas.
Nenhum sistema poderá nos atender plenamente, jamais.
Até que o Senhor reine sobre aqueles que querem e desejam o Seu Reino.
Muitos se confundem por que misturam o Seu Reino com religião.
Outros ignoram que o que precisam é dEle, e gastam suas vidas em causas beneméritas de lutas que estabelecem apenas mudanças sociais e políticas.
Lindas causas.
Importantes causas.
Mas que não podem resolver, plenamente, o que aflige seus semelhantes.
Existem, claro, ótimos paliativos.
Apenas isso.
Quando a nação Israel pediu um rei a Samuel, enfurecendo o profeta, o Senhor disse:
Não é a vocês que estão rejeitando, mas sim, a mim.
Esta mesma frase está viva e ecoando até hoje, sobre todas as nações...
Quando Deus declarou a Israel, todas as consequências de terem sobre si um rei, o Senhor não ocultou nenhum detalhe do que iria acontecer.
Mas os homens preferiram um rei de carne e osso.
E rejeitaram a Deus para Ele que não reinasse sobre eles...
E ainda vivemos assim.
Discutindo regimes, sistemas, ideologias, leis, modelos, soluções...
Mas apenas o Senhor é quem pode nos prover de todas as coisas.
Jeová Jiré!
O Verdadeiro Provedor de TODAS as coisas.
Ainda hoje Ele supre estas coisas aos que creem, independente do sistema de governo em que vivem.
Mas, ainda mais, e mais importante, oferece segurança eterna.
Por que se a nossa esperança se resume apenas a esta vida, somos os mais infelizes dos homens...
Não se frustre demais com o que acontece na política hoje.
Mas se permita sentir frustrado se não conseguir ter uma relação pessoal com o seu Criador...
Invista seu tempo e energias nisso.
Não preste atenção demais no que se vê, mas busque o que não se vê.
As coisas que se veem são temporais...
Mas as que não se veem são eternas.
Volte-se ao Senhor enquanto há tempo.
Deus o abençoe!

SHALOM!

Haroldo Maranhão
Recomendo que você visite meu outro Blog, que tenho com minha esposa Fúlvia, o "Vinho Novo".
Ali você vai encontrar o link para o vídeo de uma palavra que ela ministrou, sobre a realidade de que não somos uma ilha, mas tudo o que fazemos afeta a todos ao nosso redor...
Se puder, invista um tempo para assistir este conteúdo.
Deus abençoe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário