segunda-feira, 19 de novembro de 2012

EVOLUÇÃO E COINCIDÊNCIAS... (REPUBLICANDO)...

 
 
Nós que cremos na criação de tudo o que existe pela mão de Deus, somos pessoas alienadas da realidade da vida e da ciência.
Somos atrasados.
Vivemos no obscurantismo, em pleno século 21.
Já se provou de forma clara e indiscutível que a evolução é um fato, e que os desencadeamentos fortuitos, durante bilhões de anos, geraram coincidências, ao longo de todo o processo da evolução, trazendo-nos até o presente momento da vida como conhecemos.
Não existe um Deus inteligente na origem das coisas, mas as coisas aconteceram por si mesmas, espontaneamente.
Ao acaso.
A vida não inteligente subitamente evoluiu e gerou a vida inteligente.
Células, bactérias, gases ou algo assim, existiu antes de tudo o que conhecemos.
Talvez em outros planetas, embora não tenhamos ainda o esclarecimento sobre a origem de tais planetas ou de tal vida alienígena.
Bem, mas não importa.
Nem importa como estes elementos estavam lá antes de tudo, nem de onde vieram.
E assim a vida evoluiu.
Tudo veio do nada.
Sem Deus na origem.
Afinal, a ciência trata de fatos científicos e não de religião.
Como Deus é um assunto de religião, a ciência não trata de Deus.
Apenas de fatos.
Embora não tenhamos uma comprovação.
Mas foi assim que tudo começou.
Tudo do nada.
Coincidências e evolução.
Antes de mais nada, é uma feliz coincidência o fato de que nosso planeta fica em um lugar protegido do nosso sistema solar.
Nem somos torrados pelo sol que nos aquece.
Nem congelamos.
Na verdade, tivemos sorte.
Muita sorte.
Poucos corpos celestes batem aqui, pela precisão das órbitas de todos os bilhões e bilhões de planetas, estrelas, cometas e outros sistemas solares existentes.
Ou melhor, conhecidos.
Os que bateram aqui, não impediram que nossa vida conhecida e documentada se desenvolvesse pelos últimos 6.000 anos, pelo menos.
Antes disso, as que bateram nos ajudaram de alguma forma na evolução, embora não saibamos bem de onde vieram...
E as que por nós passaram, não sabemos bem para onde foram.
Além disso, também somos protegidos por uma atmosfera que faz com que cometas e outros corpos celestes menores quase que derretam ao entrar antes de atingirem a nossa terra.
O nosso campo eletromagnético, casualmente, faz um trabalho perfeito de proteção.
Pura e feliz coincidência.
Nossa terra que, aliás, paira no meio do nada, girando em torno de si mesma e em torno do sol, em órbita perfeita, em equilíbrio gravitacional preciso, por acaso.
Ao mesmo tempo, tal atmosfera nos oferece um ambiente agradável em que se pode haver vida.
Estações climáticas adequadas.
Proteção dos raios UV emitidos pelo sol.
Por coincidência, aliás, a vida que existe aqui justamente vive de oxigênio, o qual existe em abundância em nosso sistema.
Por coincidência e evolução, todos os seres vivos desenvolveram, sistemas capazes de absorver este oxigênio, processá-lo, utilizá-lo seja através da fotossíntese no mundo vegetal, ou processos respiratórios diferentes nas criaturas do mar, nos animais terrestres, e, claro, no homem.
É uma coincidência que estes animais consigam ver, ouvir, e perceber este sistema em que casualmente se encontram.
E é uma melhor e maior coincidência, ainda, poderem se alimentar de muito do que existe em nosso planeta.
E claro, desenvolveram, por coincidência, correntes sanguíneas, bombeadas pelo coração, processando vida através da respiração.
O sangue, inteligentemente evoluiu e desenvolveu este sistema de transporte do oxigênio e da eliminação do gás carbônico.
Ao longo de bilhões de anos, aperfeiçoaram tudo isso casualmente.
E, adicionalmente, desenvolveram seus sistemas digestivos para usufruir da alimentação que, casualmente, lhes servia.
Tornaram-se ainda capazes de processar estes alimentos, extraindo deles os nutrientes para sua energia, e também criaram um sistema capaz de eliminar o que não serve, nas fezes e na urina.
Os animais.
Irracionais.
Por coincidência.
Claro que também criaram seus ecossistemas casualmente.
As cadeias alimentares, coincidentemente vieram a existir, também, em uma espetacular interdependência entre as espécies.
Das que se alimentam de tudo o que existe nas ervas, frutos, raízes e tudo o mais, até animais que se alimentam uns dos outros.
Aliás, passaram a gostar de se alimentar, justamente, do que lhes oferece energia para desenvolverem suas vidas.
Vidas estas, aliás, que, coincidentemente vieram a existir do fato fortuito de que as espécies têm machos e fêmeas.
E que, coincidentemente, tem atração uns pelos outros, em ciclos casuais de acasalamento.
E que também por coincidência, as fêmeas tem capacidade de gerar vida ao serem fecundadas, por coincidência, por sementes que existem nos machos.
E que alem de terem tais sementes em si mesmos, conseguem fazer com que estas sementes cheguem aos ovos das fêmeas.
Que coincidentemente podem ser fecundados.
E coincidentemente, geram uma nova vida segundo a espécie de cada casal.
Que, claro, por coincidência e evolução, tais filhotes serão alimentados em muitas espécies por leite que as mães, coincidentemente, desenvolveram e que servem, exatamente, e por coincidência, para oferecer o que os filhotes precisam como nutrientes para se desenvolver.
Todos estes animais vivem em um sistema, que é, até então, absolutamente adequado para eles.
Existem noites, para que, por evolução e acaso, eles durmam, repondo suas energias, obviamente por coincidência.
E existem dias, em que eles podem viver suas vidas sob o sol.
Casualmente e coincidentemente formados pelos movimentos precisos e acidentais do sol, da lua, e das estrelas.
Que giram em suas órbitas casuais.
Que por coincidência vieram a marcar os dias e as noites, gerando um prazo absolutamente fortuito para que toda esta criação vivesse.
E de forma maravilhosa, o clima, a água, os alimentos, os ciclos de vida para acasalamento e tudo o mais, formou-se de forma aleatória e casual, coincidente, por certo, ao longo de tantos e tantos anos.
As plantas, flores e frutos, casualmente também se desenvolveram neste sistema.
Aprendendo de forma casual a viverem do sol, do vento, da água, e das sementes que elas próprias aprenderam a gerar de si mesmas, garantindo sua reprodução futura em novas plantas, árvores, flores e frutos, segundo sua espécie, segundo o sistema em que estão casualmente estabelecidas.
Também as quatro estações climáticas deste nosso planeta, casualmente, ofereceram ciclos adequados para que todas estas jóias preciosas vivam.
Estas sementes então são casualmente eficientes para gerarem novas vidas, combinando, por tremenda coincidência, com o solo em que tais plantas, casualmente vieram a existir.
E no caso dos frutos, casualmente, criaram verdadeiras embalagens biodegradáveis e não nocivas ao sistema.
Que permitem que os frutos produzidos venham apresentados em porções adequadas para o consumo. Prontos para serem servidos.
Quantidades adequadas para consumo dos animais.
Adequadas para o consumo dos homens.
Casualmente.
Também, obviamente, aprenderam a receber água das chuvas, que, casualmente as rega e alimenta.
E evapora, e novamente rega todas, cumprindo seu casual e coincidente ciclo de vida.
Tudo isso de forma casual, e espontânea.
Evolutiva.
Sem intervenção de nenhuma inteligência anterior, mas, sim, ao longo de bilhões e bilhões de anos casuais.
Que se iniciaram do nada.
De bactérias.
De uma sopa primeva.
De gases.
De uma explosão casual e inanimada.
Mas tudo, absolutamente científico.
Lógico.
Estatístico.
E o que dizer então, do homem...
Por coincidência, evoluiu dos primatas.
Por si só, espontaneamente, ao longo de milhares e milhares de anos, deixou de ser um macaco, e passou a raciocinar.
Aprender.
Empreender.
Transformar.
Evoluir uma única vez de animal para ser humano.
Um salto, talvez inteligente. Porém único.
Depois, nunca mais, por que chegou ao estágio que deveria chegar.
Homo Sapiens.
O qual, por coincidência, se alimenta dos alimentos que existem neste planeta.
E claro, por uma feliz coincidência, encontra alimentos que além de nutrirem, dão prazer ao comer.
Alimentos que coincidentemente, combinam uns com os outros.
E são renováveis.
Indefinidamente.
E além do mais, saborosos.
Saladas.
Azeites.
Sal.
Açúcar.
Frutas.
Carnes.
Peixes.
Aves.
Temperos.
Água.
Sucos de frutas.
Que surgiram convenientemente, da evolução.
Casual.
E que, por coincidência tem em si mesmos as proteínas, vitaminas, sais minerais, gorduras... enfim, tudo o que o homem precisa para sua subsistência.
Além disso, claro, o organismo do homem de forma espontânea e sofisticada ao longo do processo de evolução aprendeu a utilizar e processar todos estes alimentos para viver.
Para comer, uma boca e dentes.
Os quais são sabiamente trocados ao passar da idade infantil para a adulta.
Para sentir sabor, papilas gustativas.
Para digerir, um sistema que é capaz de processar quimicamente os alimentos, em uma bolsa interior que não deixa vazar para a pele ou para o interior do homem, verdadeiros sucos químicos.
Mesmo enquanto o homem faz outras coisas, como caminhar ou dormir, o sistema interno de forma espontânea consegue processar tudo o que interessa para a saúde do homem, e elimina exatamente o que o homem não precisa.
Além disso, o homem tem outros órgãos internos que, casualmente surgiram para processar tudo o que seu organismo precisa para ter saúde!
Ou seja, os rins, o fígado, o pâncreas, os pulmões, os intestinos...
O coração!
Filtrando, respirando, bombeando e transportando sangue, processando e eliminando o que não serve... e tudo o mais.
Fazem internamente, tudo o que o homem precisa para viver saudavelmente.
Precisamente.
Inteligentemente...
Sem perturbar o raciocínio e o dia a dia da vida humana, por serem processos inconscientes.
Mas... por coincidência.
Por um espetacular processo evolutivo.
Se as doenças atacam, produz anticorpos.
Febre.
Reações contra o inimigo.
Se ferimentos acontecem, e ocorre um sangramento, plaquetas.
Movimentos de glóbulos brancos e vermelhos.
Agindo inteligente e coordenadamente.
E depois, claro, cicatrização.
Regeneração.
Cura!
Por acaso.
Pela evolução.
Além disso, o homem tem uma embalagem perfeita.
A pele.
Pode ser molhada, mas é impermeável.
Lavável.
Durável.
Capaz de cicatrizar.
De ser trocada.
De se renovar.
De acompanhar a vida do homem até seu último dia aqui, mesmo que envelhecida.
Sem perder tal função.
Por coincidência.
Por evolução espontânea.
E o que dizer do cérebro do homem?
Que nem mesmo milhares de cérebros reunidos conseguem decifrar?
Explicar?
Fabricar?
Cérebro que coincidentemente, evoluiu e se tornou capaz de processar milhões de informações.
De criar bancos de dados de memória.
Controlar movimentos voluntários e involuntários do corpo humano.
Interagir com todo este sistema maravilhoso...
E de descobrir como usar tudo o que, por coincidência, existe neste planeta.
E o que dizer dos olhos?
Delicados e belos.
Janelas protegidas para o mundo exterior.
Capazes de trazer para o cérebro informações de beleza, das coisas que existem neste mundo, e agradam o senso estético do homem.
Por coincidência.
Apreciam cores, formas, luzes, movimentos.
E por felicidade, os encontram.
Apreciam a beleza no ser humano que lhe é correspondente.
Para o homem, a mulher.
Para a mulher, o homem.
De forma absolutamente fortuita, são atraídos pelo olhar.
Pelo toque.
Pelo cheiro.
Por coincidência, as terminações nervosas combinam com as correntes sanguíneas.
E combinam com o tato.
Com as emoções.
Com desejos.
Com prazer.
Que combinam com o sistema reprodutivo.
Combinam sementes e óvulos, que geram vida segundo sua espécie.
Com todas as informações necessárias para gerar uma nova vida.
Semelhante a de seus pais.
Uma vida bela.
Perfeita.
Que cresce, e se desenvolve.
Sem interferência externa.
Guiada por seu código genético.
Seu DNA.
Sem Deus!
Poderia aqui pensar em muitas outras manifestações lindas e perfeitas que encontramos em toda a criação.
Mas você já entendeu o princípio deste raciocínio.
A lógica do que estou propondo aqui.
Você ainda pensa que tudo veio do nada?
Do acaso?
Da evolução?
Sem Deus?
Então fique tranqüilo...
As coisas por aqui não vão ficar tão feias como parecem.
A humanidade e a evolução das coisas na criação vão se acertar.
E haverá bom futuro.
Sem guerras, sem fomes, sem pestes, sem sede.
Sem alterações no sol, na lua e nas estrelas.
Na comida, nem na água.
Tudo vai dar certo... nos próximos bilhões de anos...
Pode descansar, e acompanhar a evolução das coisas.
Fique tranqüilo!
Será?
Não!

Veja os sinais e leia a Bíblia.

Shalom!

Haroldo Maranhão


Nenhum comentário:

Postar um comentário