sábado, 24 de março de 2012

EU TENHO VERGONHA DA APOSTASIA. NÃO DO EVANGELHO.





Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê.

Romanos 1:16

Eu me converti quando tinha 10 anos.
Já se vão aí 41 anos.
Sou bisneto de pastor evangélico.
Naquele tempo, fiquei sabendo por outros familiares, ele debatia em praça pública com um líder de uma grande religião, em praça pública, acerca da Bíblia.
Não era famoso.
Na verdade, nem mesmo era popular.
Chegou mesmo a ser ameaçado por sua fé.
Não era popular ser "crente", "evangélico" ou "protestante".
Pelo contrário.
Quando criança, estudei em uma escola muito grande.
Particular.
Lembro que entre quase 2.000 alunos, eu era um dos poucos "crentes".
Não era muito popular ser "crente".
Era difícil se assumir "crente".
Meu falecido avô foi uma pessoa de notável influência na sociedade paulistana e mesmo brasileira.
Influente na área da medicina, com ênfase na medicina legal.
Mesmo no meio universitário, com importantes cadeiras ocupadas.
Ele era uma raridade.
Algumas pessoas não compreendiam como alguém tão culto, tão inteligente, pudesse ser "crente'.
Era bem estranho.
As igrejas eram pequenas.
Não existiam "megachurches".
Como já falei em outro post, as coisas eram difíceis.
Lembro de um dia em que meu pai me levou ao Ginásio do Ibirapuera aqui em São Paulo.
Um evento cristão.
Eu tinha menos de 10 anos, e ao ver o ginásio lotado, durante uma apresentação cênica da passagem bíblica da vitória de Elias contra os profetas de Baal, fiquei maravilhado.
Perguntei: - Pai, todos eles são "crentes"?
Um ginásio lotado não era muito comum para minhas experiências gospel...
E o tempo passou.
E as igrejas cresceram.
Nós que quase nada éramos nos censos demográficos anteriores, hoje caminhamos para ser aparentemente quase 40 milhões.
E crescendo.
Elegemos senadores, deputados, vereadores.
Influenciamos grandes decisões da política nacional.
Em diversoso pleitos, fomos ou seremos decisivos.
Dizem que influenciamos até mesmo decisões da Presidência da República.
Não tenho como checar de fonte fidedigna, mas faz sentido.
O que quero enfatizar é que hoje, somos ouvidos.
Nossos templos estão em todos os bairros.
Em todos os tamanhos.
Todas as denominações representadas.
Talvez, milhares delas.
Cobertura nacional.
Quase não existem locais não alcançados no Brasil.
Embora saiba de bolsões com menor presença de igreja em lugares não alcançados no sertão nordestino, inegável que chegamos através do rádio e da TV aberta.
É verdade...
Alargamos mesmo nosso alcance!
Homens e mulheres de Deus, anônimos ou não, pregaram o evangelho nesta nação.
De todas as formas.
Pagando altos preços.
Nos lugares mais longínquos...
Chegou a Verdade que liberta.
Que salva.
Que transforma.
Chegamos até mesmo na programação da Globo!
Que entendeu nossa força.
Que tenta comprar nosso mercado musical.
O grupo de Ruppert Murdoch, que já fez este movimento no mercado americano, entre outros grupos, tenta fazer a mesma coisa no mercado editorial cristão nacional.
Somos um mercado comercial em expansão observável.
Mensurável.
Nos tornamos financeiramente influentes, mesmo!
A mini série "Rei Davi" desbanca outras grandes atrações no horário nobre.
Horas e horas intermináveis na televisão apresentam pastores, bispos e apóstolos.
Em tese, pregando o evangelho.
Em tese, falando de Jesus.
Digo "em tese" por que, os resultados são rasos se esta fosse mesmo a pregação.
O evangelho verdadeiro.
Incompatíveis com a real comparação que deve ser feita.
Com o princípio de tudo.
Lembro que poucos homens, que realmente pregaram o genuíno evangelho, sem todos estes "recursos", receberam a cooperação do Espírito na transformação do mundo da época imediata pós-Jesus.
Por que pregavam o evangelho genuíno, eram acompanhados pelo poder de Deus.
Genuíno.
E estes sim, influenciaram sua geração.
Não a política, não o entretenimento, não os negócios, não os grandes temas nacionais.
Mas as VIDAS.
O que importava eram as conversões.
As pessoas.
A transformação.
A salvação.
Pregavam arrependimento de pecados.
Pregavam salvação pela graça, por meio da fé.
Pregavam mudança interior de vida.
Tinha que haver uma real mudança na vida da pessoa.
Eram radicais.
E não se tornaram celebridades, não ficaram famosos na terra segundo seus princípios, mas se tornaram famosos no céu, segundo os princípios eternos...
E por este motivo, até hoje ouvimos ecos de suas vidas.
Dois mil anos depois, o que vejo na TV que supostamente prega este mesmo evangelho, me envergonho.
O que vejo me constrange.
Brigas por espaço, denúncias, escândalos, ataques, explicações, declarações, vídeos, entrevistas.
Igrejas que compram horários para tirar do ar outras igrejas.
Que pregam em tese o mesmo evangelho.
E que, na verdade, promovem uma triste transferência de riquezas invertida, para financiar todo o lixo que estas emissoras despejam nos lares do Brasil, como escrevi aqui.
Ministérios que atacam outros ministérios que, supostamente, pregam  a mesma Bíblia.
E tratam ainda de outros temas inconpreensíveis, se considerarmos que são pagos com dinheiro de dízimos e ofertas.
Matérias pseudo jornalísticas, entrevistas com demônios, falsa piedade, inestigação policial.
Sim, financiado com o dinheiro sagrado do Senhor.
E ainda isenta de impostos, por que, supostamente, usados para pregação da fé.
Até quando?
E estes temas lamentáveis passam a influenciar e pautar a mídia.
As conversas.
A visão que as pessoas passam a ter do evangelho de Jesus.
Qua já não é nem o evangelho, e muito menos de Jesus.
Não, não foi para isso que Ele morreu na cruz.
Não foi para isso que liberou a Grande Comissão para irmos por todo o mundo pregar o evangelho a toda a criatura.
Não através do sistema do mundo, mas, sim, do sistema dEle.
Vejo estes pregadores no vídeo, e não me reconheço neles.
Não compartilho deste tipo de polêmica.
Não aceito este tipo de palavras.
Não os vejo como pregadores de Jesus.
Na verdade, há muito tempo, nem os vejo mais.
Apenas colho ecos do que dizem, nas rodas de conversa do dia a dia.
Nas manchetes dos jornais na internet.
E me pergunto...
Se eles estivessem mesmo pregando o evangelho com este tamanho alcance que têm hoje...
Se tivéssemos mesmo 40 milhões de cristãos genuínos no Brasil...
Como estaria nosso país?
A América Latina?
Mas não é bem assim...
Tenho vergonha de ser confundido com estas pessoas, quando me identifico como cristão.
Fico constrangido quando tenho que explicar o que creio, quando confrontado com estas programações televisivas em que, tenho a impressão, o Espírito Santo nem passa perto.
E assim, como já disse, A Apostasia vai se disseminando.
Travestida de evangelho.
Muitas das pessoas que se professam cristãs ao entrevistador do censo não seguem mais a Jesus, mas seguem, sim, pessoas que nem pregam a Jesus como Salvador.
Que não sei, de verdade, a quem seguem.
A maioria nem mesmo sabe expressar sua fé!
Não sabe por que é salvo.
Talvez nem como alguém pode ser salvo.
Baseado em que crê que tem a vida eterna.
Pergunto: você sabe?
Assim, hoje...
Mais uma vez, neste espaço que Deus me dá...
No qual ainda posso escrever o que penso, o que acredito, o que vejo...
Sabendo que não sou o dono da verdade, e nem pretendo ser...
Quero fazer uma recomendação!
Você que é cristão e que é sincero...
Siga o pastor da sua igreja local.
Não importa o tamanho da sua igreja, você pode acompanhar a vida deste homem ou mulher.
São de carne e osso.
Você pode saber de sua vida real, e ouvir a sua pregação sincera.
O que aparece na televisão, muitas vezes, é um personagem que nem sempre é real...
Você nem mesmo sabe como é sua vida no dia a dia...
Aliás, em nossos dias, os últimos dias, nem mesmo sabemos quem são de verdade...
Mas a vida do seu pastor, você tem como saber.
Acompanhe.
Não importa, necessariamente, o alcance que ele está tendo.
Não meça o sucesso do seu ministério pelo tamanho da congregação, mas para a sinceridade como segue a Deus.
Pela coerência como vive o Evangelho.
Pela forma como lida com suas lutas pessoais, e até mesmo suas falhas.
Naquele Dia, diante do Senhor, vamos ter muitas surpresas...
Muitos que hoje são famosos, talvez nem mesmo estarão lá.
Mas alguns anônimos na terra, veremos que são famosos no céu.
Mais uma sugestão...
Ao assistir qualquer programação, em qualquer canal, em qualquer mídia, quem quer que seja...
Cantor, pastor, presbítero, bispo, apóstolo, produtor...
Não importa se são famosos, se vendem muito, se estão em muitos lugares...
Se tem livros, se tem grande audiência...
Nada disso faz, necessariamente, a menor diferença!
O importante é o que dizem quando estão no ar.
Preste atenção no que eles dizem.
Sinceramente, observe se falam de Jesus.
Se aproveitam para pregar o evangelho que salva.
Se falam em arrependimento de pecados.
Em transformação.
Em mudança de vida.
Em levar a cruz, como disse Jesus.
Vencer o mundo sim, mas passando pela Porta de entrada.
Jesus.
Para não ser injusto, assista algumas vezes.
Vamos dar uma chance, afinal...
Embora devessem pregar o evangelho todo o dia, entendo que possam escolher outra pauta, embora não seja o que dizem quando pedem dinheiro para ficar no ar.
Se falam de Jesus, continue com eles.
Apoie.
Ore por estes...
Afinal, por estarem onde estão precisam de muita oração.
Para não se desviarem do caminho por onde começaram...
Quando ainda tinham menor expressão...
Mas não desvie o dinheiro da sua igreja local para os televisivos.
Invista na sua igreja local.
Ali você deve dar seu dízimo.
Sua oferta.
Invista neste homem e mulher de Deus que realmente tem cuidado de sua vida.
O que proponho hoje é: Faça uma reflexão.
Veja a quem você segue.
Entenda o contexto em que vivemos hoje...
Estamos vivendo, como igreja, um tempo que a igreja antes de nós NUNCA viveu.

Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos dias alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada.
I Timóteo 4:1 e 2

Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. 
II Timóteo 4:3 e 4


Tenha vergonha da Apostasia...
NUNCA DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO.

Veja os sinais...

SHALOM!

Haroldo Maranhão

2 comentários:

  1. estava pensando nisso tbém,no meio disso tudo que andam falando na televisão, as brigas etc... o "mundo " coloca todos os cristãos na mesma"panela" e muitos Pastores enfim ministérios sérios pagam a "conta" !!!Lamentável.. só Jesus voltando logo !!!

    ResponderExcluir
  2. É verdade Miriam.
    Que Deus nos ajude a apoiar os ministérios sérios com intercessão, apoio financeiro e trabalho!
    Deus abençoe,
    Haroldo

    ResponderExcluir