sábado, 11 de fevereiro de 2012

2012 SEGUNDO O GLOBO REPÓRTER


Acabo de assistir ao Globo Repórter sobre 2012.
Fui avisado pelo meu filho sobre o programa.
E depois, por outros amigos, que também lembraram de me avisar.
Talvez, alguns tenham feito isso por que perceberam meu silêncio neste espaço.
E, talvez, pensaram em me pautar.
Provocar.
Se não era a intenção, foi este o efeito.
Faz mesmo algum tempo que não tenho conseguido escrever o conteúdo a que me propus a escrever.
Reconheço que lendo o que leio, ouvindo o que ouço, discernindo o que discirno, vejo cada dia mais a alienação das pessoas, diante de fatos que, por indiscutíveis diante dos próprios olhos, mereceriam uma reflexão.
No mínimo.
"Normalcy Bias" ao vivo é algo assustador.
(Se você não conhece o conceito, leia o que escrevi aqui sobre isso)
E eu estou tentando manter minha sanidade, equilíbrio e compreensão do que acontece à minha volta.
Equilíbrio bíblico, escatológico, emocional e, claro espiritual.
Mas quando assisto algo como o que acabei de assistir, sou compelido a escrever.
Talvez, até de forma meio emocional.
Passional.
Em primeiro lugar, digo que a edição do programa foi,  no mínimo, para dizer o mínimo (sim, estou sendo redundante propositadamente), infeliz.
A única pessoa ligada a qualquer "estrutura religiosa" que seja, para falar algo que se diz associado a profecias, pensamentos antigos, e sempre associados a religiões, foi um pastor, destes pregadores de rua.
Corrigindo, no caso, de praça.
Especificamente, da Praça da Sé em São Paulo.
Um homem que, se sincero (não o conheço, não tenho como avalisar sua intenção), deveria ser considerado como admirável.
Alguém a ser imitado.
Não se envergonha de ir às ruas pregar o que crê.
Por sentir urgência de transmitir o que entende ser valioso.
A despeito das críticas, da zombaria, da desconfiança.
Do ridículo.
Sou informado pela própria edição do programa que ele faz isso já há doze anos, comprovado pela exibição de um vídeo antigo.
E este senhor, claro, foi apresentado de uma forma sutil, como uma peça exótica em um programa supostamente sério.
Sua pregação sobre o fim do mundo foi desqualificada pela edição que o apresenta pregando a mesma palavra há doze anos.
E por que nada aconteceu até agora, o raciocínio é que nada irá acontecer agora...
O fato de que ele prega isso há anos e nada aconteceu, é subjetivamente desqualificador.
Subliminarmente, somos levados a pensar que as "religiões" que falam isso há muito tempo estão equivocadas.
Por que até agora nada aconteceu.
Por que isso é religião.
Não é algo científico.
E este pastor suado, de fala simples, rude, é o único conteúdo ligado à Bíblia apresentado no programa inteiro!
Nenhum teólogo, bispo, especialista, estudioso, nada.
Seja católico, seja evangélico.
Apenas este homem simples.
Que foi o único, em todo o programa, que falou a verdade.
Sensata.
Bíblica.
Sabia o que estava dizendo há pelo menos doze anos.
Que o mundo sim, vai acabar.
E que ninguém sabe quando.
E assim, pela edição, em menos de 3 minutos de programa, eliminaram a Bíblia.
A desqualificaram junto com o pregador.
E passaram a apresentar pessoas mais sensatas, aparentemente.
Pelo menos por sua formação.
E pela apresentação.
Sem suor, em locais belos, casas bem construídas.
Físico quântico, advogada, sociólogo, psicólogo, cientista...
Pessoas formadas...
Que encontraram lugares seguros.
Estilos de vida seguros.
Embora exóticos em sua forma, mais centrados em sua realização.
Sítios, propriedades, construções.
Bunkers subterrâneos seguros.
Ficamos sabendo que a Chapada dos Veadeiros é considerado um dos lugares mais seguros do mundo.
E que aqui no nosso Planalto Central, de tão seguro, tem atraído pessaos do mundo todo.
Ou pelo menos os estudiosos, esotéricos, astrõlogos, mentalizadores, sensitivos, preceptores.
Vivendo em casas seguras.
Preparando estoques de alimentos seguros.
Plantações auto sustentáveis seguras.
Containers de água seguros.
Roupas, medicamentos, máscaras, meditações.
Conexões da alma com o planeta.
Da meditação com a terra.
Elevação.
Energização.
Em dado momento, a repórter pergunta para um homem jovem de bermudas, líder das mentalizações, sentado na terra, pés descalços, que prega alguma coisa sobre 13 luas.
- "Então o mundo não acaba em 2012?"
E ele, do alto de seu conhecimento esotérico, fundamentado em sei lá eu o que diz, com segurança, voz pausada: - "Não" E apresenta sua explicação.
Corte rápido.
Pronto.
Fique tranquilo.
Ele falou na tela da Globo, e, portanto, esta é a verdade.
Ao longo do programa, mais à frente, uma informação científica!
Um cientista hispânico da NASA (sim... não escolheram um americano... curioso não?) fala, em nome da Agência, que não há o que temer!
"Estamos observando tudo.
Sim, o mundo vai acabar, mas apenas daqui a milhões de anos!?!?!?!"
Nos próximos anos, não.
Estamos observando todo o sistema solar. Não há riscos".
Outro cientista aparece para nos alertar que, talvez, uma mudança de elipse do Apophis em sua próxima passagem possa causar algum problema na sua passagem subsequente... no futuro, como 2036... "
Não tão longe, mas também, não tão perto.
E ficamos todos tranquilos então.
Agora sim.
Se a NASA falou, e a Globo divulgou... estamos seguros...
E vem o intervalo, com a cerveja, o carnaval, a mulher nua dançando.
Todos rindo, felizes...
Tristes pessoas que confiam em coisas tão sem sentido.
Palavras tão vazias.
Informações vindo de pessoas desprovidas de história, de conteúdo, de informações.
Apresentando soluções frágeis, com aparência de seguras.
Estratégias de sobrevivência rasas, apresentadas como profundas.
Como se pudessem se esconder do que ninguém poderá evitar quando vier...
O Dia do Senhor!
Bem amigos deste BLOG!
Fico passado com a desinformação, distorção, confusão, para não dizer enganação sobre tudo o que virá.
Por que virá.
Os Maias viraram os mais sábios acima de todos.
Os de civilização avançada, que podem prever a data do fim com milhares de anos de antecedência...
Mas que não puderam evitar o seu próprio fim...
Ninguém considera isso...
Fico pensando sobre estas pessoas que tem estoques de alimentos, água e tudo o mais...
Que crêem que estão seguras em ter tudo isso para um momento em que outros não terão...
Minha pergunta é... tem estoque para quanto tempo?
Dependendo do que acontecer, onde vão renovar seus estoques?
Quem vai protegê-las de saques, assaltos e violência para tomar tudo o que estocaram por anos?
Ou pensam estes que, neste suposto cenário de caos, haverá ainda um Estado de Direito, com polícia nas ruas, garantindo a segurança dos que prepararam estoques para o futuro?
Ou acreditam sinceramente, que as pessoas, do lado de fora da sua casa, morrendo de fome e sede, vão respeitar o direito adquirido dos que se prepararam?
Que tipo de segurança estas pessoas tem de que vão usufruir de seus estoques neste suposto caos?
Minha pergunta enfim é: Em que confiam?
Na horta?
No galão de águas?
Nas galinhas e cabras?
Na casa auto sustentável e biodegradável?
Nas máscaras de gás?
Nos cálculos que os levaram a saber que naquele lugar as águas não chegarão?
Mas e se um asteróide cair?
E se a peste chegar?
E se o sol queimar?
E se as feras atacarem?
E se o exército futuro do sistema do anticristo confiscar?
Quem vai garantir?
Meu Deus do céu...
Quantos pensamentos estranhos.
Quantos alienados.
Ignorando.
Fugindo.
Buscando soluções as mais exóticas.
Insensatas.
Frágeis...
Mas a única palavra de sabedoria...
A do homem simples, pregador de rua...
Que confia na Bíblia e não se envergonha do evangelho...
Passa desapercebida.
Fica desqualificada, espremida na edição.
O rosto suado, a fala simples, inferindo alguém despreparado...
Apenas apoiado na religião e não na ciência...
E acabado o programa, fica a pergunta oculta no ar...
Pergunda não falada, mas que fica no coração do telespectador global...
Pergunta silenciosa, misturada na edição bem feita...
"Você não acredita no fim do mundo, mesmo, né? Mas, se supostamente, o mundo tiver um vim, em quem você vai acreditar? Claro que não é na Bíblia... né?"
E o programa acaba, e a programação continua, e o carnaval vem aí.
Comamos e bebamos que amanhã morreremos...
E assim caminha a humanidade.
Dizendo que o fim já foi previsto antes, diversas vêzes.
E nada aconteceu.
Como acontecia no tempo do Apóstolo Pedro, há dois mil anos, em II Pedro 3:1-14


Amados, já é esta a segunda carta que vos escrevo; em ambas as quais desperto com admoestações o vosso ânimo sincero; para que vos lembreis das palavras que dantes foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos; sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Pois eles de propósito ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste; pelas quais coisas pereceu o mundo de então, afogado em água; mas os céus e a terra de agora, pela mesma palavra, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia do juízo e da perdição dos homens ímpios. Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se. Virá, pois, como ladrão o dia do Senhor, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas. Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade, aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Nós, porém, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e uma nova terra, nos quais habita a justiça. Pelo que, amados, como estais aguardando estas coisas, procurai diligentemente que por ele sejais achados imaculados e irrepreensível em paz; Bem amigos, este é um post que é também um desabafo.
É uma bênção poder manifestar minha opinião e, de alguma forma, ter com quem falar.
Que bom que você passou por aqui.
Sabe por que?
Por que quero que você saiba que, se preciso me associar ou me identificar com alguém, após ter assistido a este desfile de cientistas da NASA, de física quântica, psicólogos, sociólogos, gestores, engenheiros, advogados, enfim, todos os personagens que foram apresentados no programa, eu prefiro, sinceramente, me associar a aquele pregador de rua.
E se não vou literalmente pregar na rua, pelo menos (ainda) posso abrir a minha janela aqui da internet e falar o que penso.
O que creio.
Que está aqui, ao longo de dois anos de textos diversos.
Sei que alguns de vocês vão me achar ridículo.
Por que alguns já acham, e me falaram isso explicitamente.
Outros, porém, vão entender o que estou pregando...
Como muitos já fizeram, graças a Deus.
E estes, vão encontrar A Verdade, que não está em mim, ÓBVIO!
Mas está em Jesus.
O Único Caminho.
A Única Solução para tudo o que virá...
POR QUE VIRÁ.
Conheça a Jesus.
Saia do meio da multidão...
Ainda há tempo... não sabemos quanto.

SHALOM!

Haroldo Maranhão

2 comentários:

  1. Excelente texto! Você conseguiu enxergar, o que muitas vezes passa desapercebido ao telespectador
    comum!
    Me emocionei muito lendo, cheguei as lágrimas!
    Que Deus te abenções e te unjas mais e mais para mostrar a verdade que liberta!
    Saudações da irmã em Cristo, Evanda.

    ResponderExcluir
  2. Amém!
    Grato pelas palavras de bênção.
    Conto muito com a oração e bênção dos que passam por aqui...
    Deus abençoe,
    Shalom,
    Haroldo Maranhão

    ResponderExcluir