segunda-feira, 31 de maio de 2010

RECUSANDO CONVITES PARA AS BODAS DO CORDEIRO?



Um dos aspectos mais impressionantes de se escrever este BLOG sobre os últimos dias é a experiência de poder perceber como as pessoas se posicionam diante do conteúdo que apresento.
As atitudes mostram muito do que vai no coração delas.
Aliás, Jesus nos ensina que ¨a boca fala do que está cheio o coração¨…
(Mateus 12:34)
Assim é que, quando ensino sobre os cenários proféticos, ou quando converso com pessoas que me encontram, ouço perguntas muito sinceras:
Quanto tempo falta? (… como se eu soubesse…)
Vai dar tempo para eu casar?
Ter filhos?
Conseguir minha promoção?
Quitar minha casa? 
As dívidas?
Viajar?
… e por aí vai…
Estas perguntas são ilustrações ricas para que você e eu possamos parar para examinar nossos corações e avaliarmos o que pensamos na verdade.
Esta é a minha proposta para este post.
Então, aqui vai a minha pergunta:
O que você sente diante da perspectiva de que estamos vivendo os últimos dias? (… não importa quanto tempo seja…).
Sua resposta deve ser um balizador para você mesmo, 
Vai revelar para você o que vai no seu próprio coração.
Deve apontar se você está trilhando o caminho mais importante de sua vida.
Você está pronto para encontrar com Jesus?
Encontrar com Jesus é a grande referência para suas decisões na vida?
OU…
Existem assuntos lícitos que ocupam um lugar de destaque para você, que são mais importantes do que Ele… e você não percebe?
Saiba que este conflito não acontece apenas no seu coração, mas no de muitas pessoas ao longo da história…
Mas veja também que, o seu sentimento diante dos eventos mais importantes da história da humanidade, que são o fim deste tempo, o Arrebatamento da Igreja, a Volta Gloriosa de Jesus, e o estabelecimento do Seu Reino, de forma pessoal e visível, vai apontar para você mesmo qual será o seu lugar neste cenário.
Convido você para abrir sua Bíblia comigo no texto de Lucas 14, em que há um ensino de Jesus sobre este evento.
Ele estava reunido com pessoas bastante religiosas, os fariseus…
Eles conheciam profundamente a lei, mas não a viviam.
Conheciam a religião, mas não conheciam a Jesus como deveriam conhecer.
Não sabiam que Ele era, na verdade!
Consideravam mais importante seus sistemas de crenças, rituais, do que o objetivo fim da vida de Jesus que focava nos necessitados.
Dos que sofriam de todo o tipo de doenças, misérias e dificuldades, que apontam profeticamente para todas as consequências do pecado da humanidade.
Se preocupavam com coisas… não com pessoas.
Com religião, não com relacionamento.
Jesus sempre esteve focado no pecador que se reconhece como pecadorenquanto sempre confrontou os religiosos que focavam na religião, e nos seus lugares de destaque deste sistema.
Mas não se reconheciam pecadores.
Não percebiam quem eram na verdade.
Nem quem era Jesus.
Quando foi curar o enfermo no sábado, Ele chocou os religiosos.
É mais ou menos o que acontece em muitas de nossas igrejas quando acolhemos pecadores, pobres, pessoas com menos instrução, ou pessoas de outra raça ou etnia.
Muitos religiosos se acham superiores a estas pessoas diferentes… e não percebem sua cegueira, sua própria miséria emocional, o ridículo de seus valores pessoais.
O seu pecado.
E sentem que talvez estas pessoas possam atrapalhar o sistema religioso estabelecido.
Criar desconforto.
Entre as coisas mais intoleráveis no meio daqueles que professam Jesus como Salvador, eu entendo que estão o racismo, o preconceito social, o preconceito financeiro, ou educacional.
Pessoas que se consideram mais do que os outros não entenderam nada acerca do valor que foi pago na cruz por Jesus, que nos igualou a todos.
O mesmo preço foi pago por cada um, o precioso Sangue de Jesus.
Pessoas que se consideram mais do que os outros estão na beira do precipício do inferno e não percebem.
Pessoas que se consideram mais do que os outros correm o risco de conhecer muito da RELIGIÃO CRISTÃ, e de, da pior forma possível, nestes últimos dias, descobrirem que estavam enganados com sua forma de viver.
Ao perceberem que  o arrebatamento aconteceu, e ficaram aqui para o período mais terrível e na verdade, nem imaginado pelo homem, entenderão isso.
Assim eram os fariseus.
Não consideravam importante curar o homem terrivelmente enfermo… mas cuidavam em primeiro lugar de seus filhos, de seus bois, de seus bens… qualquer dia.
Todo dia.
Só o que é meu, e me dá conforto.
E enquanto isso… cumprem o ritual.
Jesus, já em conexão com o que queria mostrar para os fariseus, começa a trazê-los para o centro do que queria pregar.
Começa com uma parábola sobre casamento.
Fala sobre os lugares no casamento… onde sentar.
E fala sobre os que seriam honrados e os que seriam humilhados, conforme seus lugares…
Alguns pensavam que tinham o direito de sentar nos primeiros lugares… outros achavam que estavam nos últimos…
E Jesus mostra que pode haver uma surpresa para alguns dos que acham que vão estar na frente sendo postos nos últimos lugares… e vice versa.
Jesus continua dizendo que para uma ceia o correto não é convidar pessoas que tem relacionamentos de parentesco, ou amizade ou os ricos…
Na verdade, a essência do que Ele está falando é sobre de pessoas que podem ter como retribuir algo.
Pessoas que tem posses ou possibilidades de retribuir.
Aqui, o que Jesus está dizendo, é que Ele não convida para a Sua Ceia pessoas que PENSAM QUE SÃO PARENTES, OU PENSAM QUE SÃO RICAS, OU PENSAM QUE PODEM DAR ALGO EM TROCA PARA JESUS…
Que se acham muito importantes no sistema ¨religioso¨.
Ele ensina que se deve convidar os pobres, aleijados, coxos, cegos… e que esta é a verdadeira bênção…
Por que os que assim fazem, terão recompensa na ressurreição.
Agora, veja comigo os ingredientes que Jesus trouxe aqui.
Uma Ceia, uma Festa de Casamento, a Ressurreição dos Justos!
Alguma dúvida de qual é o contexto que Ele tem em mente?
Sim… os últimos dias.
E as pessoas dos últimos dias…
Eis que então, alguém ¨levantou a bola¨ para Jesus... um dos convidados, talvez entendendo o que Jesus estava querendo dizer… talvez, não, disse que são bem-aventurados aqueles que comerem pão no Reino de Deus (vs 15).
E aqui começo meu conteúdo deste post:
A partir do verso 16, Jesus apresenta Deus por figura, dando uma ceia e chamando os convidados para a ceia, por que ela estava pronta…
TINHA CHEGADO A HORA DA CEIA! 
E o que me confronta é que as pessoas convidadas, ou seja, pessoas que sabiam que ia haver uma ceia, que estavam esperando apenas a confirmação da data do evento… que entendiam a importância daquele evento… começam a mostrar que, na verdade, em suas vidas, algumas coisas eram MUITO MAIS IMPORTANTES DO QUE AQUELE CONVITE!
Um deles, TINHA COMPRADO UM CAMPO. UMA PROPRIEDADE.
E isso era muito mais importante do que o convite.
Outro, tinha comprado um ¨CARRO ZERO QUILÔMETRO¨ (vs 19 parafraseado para estes nossos dias).
E isso era muito mais importante do que o convite.
Outro, considerava seu casamento, sua família, (vs 20) MUITO MAIS IMPORTANTES QUE O CONVITE.
Quando o Senhor percebe isso, fica irado.
E aqui eu vejo o cenário apocalíptico confrontador, que é o centro deste post…
Jesus estava falando com os religiosos da época, judeus, e dizendo que chamaria os coxos, cegos, aleijados… para entrar na festa... na ceia… nas Bodas do Cordeiro! Por que eles, os religiosos, tinham coisas mais importantes para fazer…
E declara textualmente que NENHUM DAQUELES HOMENS CONVIDADOS, QUE CONSIDERARAM OUTRAS COISAS MAIS IMPORTANTES DO QUE AQUELE HONROSO CONVITE, PROVARIA AQUELA CEIA!
Aqui eu pergunto para você…
O que é mais importante hoje em sua vida?
Seus prazeres, seus objetivos pessoais, suas conquistas, sua família?
O que vai ao seu coração quando eu digo que Jesus está prestes a voltar?
Um sentimento de alegria, expectativa, e até mesmo temor, diante de um evento sem precedentes?
Um desejo de imaginar como será o evento do arrebatamento?
Tentar imaginar como será estar face a face com Jesus?
Ou um sentimento de perda… ¨ainda não comprei meu apartamento, meu carro… não casei?¨ Não me formei? Não tive filhos?
Ou pior… medo?
Sua resposta vai mostrar para você mesmo onde você está hoje… e o que deve fazer diante deste texto que nos confronta.
Continuando no raciocínio de Jesus neste capítulo, apenas quem considera tudo como perda diante dEle é Seu discípulo.
Ele conclui dizendo que se nós começamos a construir uma torre, precisamos avançar na construção e concluir o que começamos, para não passarmos vergonha por uma obra inacabada.
Nem mesmo devemos entrar em uma guerra sem ter claro se estamos preparados para vencer.
O que isso significa, entre outras aplicações?
Que se começamos a edificar nossas vidas nEle, se dissemos que queremos Jesus, devemos construir este edifício até o fim.
Se entramos nesta luta contra nossa carne, contra o pecado, contra o inferno, temos que avaliar nossas forças, e lutar até o fim!
Assim, se não reunciamos tudo quanto temos, se não consideramos as coisas passageiras como perda, diante da revelação de Jesus, não podemos ser Seus discípulos aqui, nem estar no banquete daquele Dia!
Se o sal  perder o sabor, se torna insípido.
Para que serve?
Como restaurar o sabor?
Somos chamados para salgar… não podemos perder o sabor.
Mais interessante ainda, é que Ele termina este capítulo falando QUEM TEM OUVIDOS PARA OUVIR OUÇA!
Esta frase foi usada por Ele na Sua revelação ao Apóstolo João em todas as 7 cartas de Apocalipse 2 e 3.
Jesus promete ainda uma coroa específica para aqueles que amam a Sua vinda.
Você está ansioso para encontrar Jesus?
Ama a Sua vinda?
Está desejoso de ser arrebatado?
Feliz com a perspectiva de que todos estes fatos que temos apresentado aqui, no BLOG, apontam MESMO para os últimos dias, aqueles que antecedem a Gloriosa volta de Nosso Senhor Jesus Cristo?
Você pode declarar MARANATA, vem Senhor Jesus?
Ainda há tempo para você avaliar sua vida.
Ainda há tempo para você estar pronto para ser levado no arrebatamento.
Ainda há tempo.
Volte-se para Jesus HOJE!
Hoje é o tempo aceitável.
Hoje é o dia da Salvação.

VEJA OS SINAIS!

SHALOM!

Haroldo Maranhão

Nenhum comentário:

Postar um comentário